A criação desse site se deu a partir da demanda de alguma fonte de informações para médicos brasileiros com interesse em trabalhar no Reino Unido e desenvolver a sua carreira por lá. O processo de revalidação não é díficil, mas é um pouco mais complexo que um progama simples de residência, e difere muito do nosso ou do programa americano. Por esta razão, em geral para entender todo o processo é preciso que você faça uma leitura de diversas fontes ao longo do tempo. Não existem muitas informações a cerca disso disponíveis na Internet de brasileiros para brasileiros, mas acredito que isso seja algo que vá mudar nos próximos anos com o grupo que atualmente está em processo de revalidaçao.

Em resumo, para conseguir uma licença médica e um registro com o GMC (General Medical Council) você precisa realizar os seguintes passos:

  1. IELTS / OET
  2. EPIC
  3. PLAB 1
  4. PLAB 2

O IELTS (International English Language Testing System) é o teste de proficiência em inglês aplicado por Cambridge que é usado para o Reino Unido (em contraste com o TOEFL que é usado nos Estados Unidos. A prova se divide em quattro bandas: Listening, Speaking, Writing e Reading. Nesta prova, que é aplicada em várias cidades no Brasil (como São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza), você precisa atingir uma nota mínima no Overall Score de 7.5/9.0; com no mínimo 7.0/9.0 em cada uma das quatro bandas. É considerada por algumas pessoas como a parte mais díficil da revalidação.

Para nos brasileiros, que aprendemos inglês em certo nível durante o colégio, acho que não é tão díficil assim. No entanto, o Writing é uma prova um pouco complicada e não é incomum requerer mais de uma tentativa para conseguir a nota desejada. No fim das contas, o nível de dificuldade vai depender do seu nível de inglês prévio. Acredito que qualquer pessoa, com o tempo necessário de preparação consegue o resultado desejado no IELTS em tempo hábil, mesmo que não seja na primeira tentativa. Na internet existem diversos sites, canais no Youtube, com o conteúdo necessário para a preparação no IELTs.

Para aqueles que não querem fazer o IELTS, ou que já tentaram mais de uma vez e não conseguem a forma desejada, desde 2018 outra prova vem sendo apicada, o OET (Occupational English Test). É consenso geral que o OET é um pouco mais fácil que o IELTS. Primeiramente o OET é uma prova feita para inglês médico, então as questões e situações são voltadas para casos médicos. Isso ocorre em contraponto ao IELTS, que é aplicado para qualquer empresa ou nível de estudo, e você vai precisar fazer redações e descrever gráficos sobre globalização, mudanças climáticas e outros assuntos gerais e superficias, nunca associados à Medicina. Infelizmente o OET ainda não é aplicado no Brasil, o que irá requerer que você viaje para outro país para realizá-lo.

Image result for IELTS WRITING
Exemplo de uma Writing Task do IELTS

Pessoalmente, recomendo fazer o OET somente se você já tiver feito o IELTS pelo menos uma vez (recomendaria no mínimo duas tentativas). Primeiramente pela questão da necessidade em viajar para outro país. Além disso, você precisará do IELTS UKVI no futuro para a aplicação do visto (requerendo uma nota bem menor, de 4.5 overall) e já irá economizar uma quantia em dinheiro significante. Na minha opnião o IELTS ,apesar de ser uma prova díficil, possui um padrão muito bem definido, e hoje existem diversas fontes de estudo na Internet sobre o assunto. No entanto, é claro que isso irá depender e muito de fatores como o seu estudo prévio de inglês ou sua fluência em conversação.

A próxima prova a ser realizada é o PLAB1 (Professional and Linguistic Assessments Board), a primeira prova de Medicina que você irá fazer. Para ser capaz de marcar a sua prova você precisa ter em mãos o resultado do IELTS. Existem 4-5 datas disponíveis durante o ano para se realizar o PLAB 1, que hoje você pode fazer em 3 cidades diferentes do UK: Londres, Manchesters e Edinburgh (Escócia). Existem outras localidades disponíveis, mas infelizmente nenhuma delas no Brasil.

O PLAB1 é uma prova de 180 questões com alternativas ABCDE sobre diversas especialidades médicas, em formato semelhante às provas de residência do Brasil. Existe na internet um material de estudo disponível com 1700 questões de provas anteriores, o que será mais do que suficiente para você realizar a prova estudando por conta própria. A cada prova é atribuido ouma nota mínima de corte (em Novembro de 2018 foram 117 questões), e uma vez que você atinge essa nota você é apto para realizar a próxima fase. Não interessa se você tirou 119 ou 170 questões, o PLAB1 não é usado como critério competitivo. No geral o PLAB1 não é considerada uma prova díficil, que requer em média 12 semanas de estudo.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR UM TRIAL DO PLABABLE COM QUESTÕES DO PLAB1

Quando voce é aprovado no PLAB1, você poderá marcar a segunda e última prova de conhecimentos médicos o PLAB2. O PLAB2 é uma prova prática que ocorre durante todo o ano, que consiste em 18 estações práticas que testam seus conhecimentos médicos e a sua capacidade de relação interpessoal. As estações possuem atores profissionais que irão interagir com você, e que você deve atender como se fossem um paciente enquanto você é avaliado por um médico examinador. Os casos envolvem quadros clínicos (como paciente com dor torácica, com disfagia), questões interpessoais (dar uma notícia ruim, resolver uma situação de erro médico, etc) e algumas envolvem a realização de procedimentos (acesso venoso periférico, passagem de sonda vesical, etc).

Video oficial do GMC demonstrando o PLAB2

No geral o PLAB2 não se aprofunda muito na parte clínica, sendo a questão da comunicação o mais importante. Por esta razão acredito que é uma prova mais fácil para nós brasileiros que para médicos estrangeiros vindos de outros países. Apesar disso, é consenso geral que você precisa realizar um dos cursos preparatórios para o PLAB2 (as Academys), que 95% das pessoas fazem. Existem diversos cursos disponíveis, sendo os mais populares: Hamed’s Commons Stations (Londres), ASPIRE (Londres), Swammy (Manchester) e o Samson (Londres). Essas academias diferem muito entre si, e portanto você precisa decidir por si próprio qual se adequa ao seu perfil. Na prática, a sua aprovação vai depender da preparação que você fizer no tempo após as academy’s, que funcionam mais para direcionar o seu preparo. Após realizar o curso (que dura entre 8-12 dias seguidos sem intervalos) é recomendável que você separe 4 semanas para praticar as estações com outras pessoas e ao final deste período faça a sua prova (ou seja, um total de 5-6 semanas de estadia no UK).

Para passar no PLAB2 você deve atingir uma nota mínima requerida, que depende da nota de todos os médicos aplicando para a prova naquele dia. Na mesma ocasião da realização do PLAB, você fará a entrega de documentos para o GMC, o ID CHECK. Até alguns meses atrás, você precisava ir no UK somente para fazer esse ID CHECK quando você aprovado no PLAB2, o que não é mais necessário. Fazendo o ID CHECK junto ao PLAB2, quando você for aprovado já poderá solicitar o seu registro online. Nesta ocasião você também fará a entrega dos seus documentos creditados pelo EPIC. O EPIC é uma empresa que realiza a checagem da sua formação acadêmica para garantir que a sua formação preenche os critérios mínimos requeridos. Esse processo todo costuma durar 1-3 meses, e você pode fazer antes mesmo de fazer o PLAB1. Portanto é recomendável que você dê entrada nesse processo o quanto antes, apesar de que você só precisará no momento da solicitação da sua carteira após o PLAB2.

Após o final deste processo você irá receber a full licence, que te dá direito de trabalhar no UK como médico. Com essa licença em mãos, você aplica para os empregos disponíveis nas páginas do NHS Jobs. Os empregos disponíveis variam com relação ao nível daquela tarefa (FY1/2, SHO, CT, ST) e em que especialidade aquela atividade ocorre. Em geral você aplica para um grande número de hospitais, e não é incomum receber convites para entrevistas na sua primeira aplicação, já que as vagas de trabalho no UK são muito comuns, uma vez que o país tem um número deficitário de médicos e por isso depende muito da mão de obra estrangeira.

Oferta de emprego no NHS Jobs

As entrevistas podem ser feitas via Skype ou ao vivo, e envolvem não só apresentação de currículo mas também uma espécie de prova oral, onde você pode ser perguntando sobre a conduta em um determinado assunto. Existe material disponível na internet orientando sobre as entrevistas, é bom dar uma olhada quando for apropriado. O Naseer relata que aplicou para 250 postos de emprego, recebendo mais de 30 ofertas. Conheço brasileiros que receberam ofertas na primeira oportunidade. Conseguir um emprego em geral nõa é muito difícil, e uma vez que você consegue isto é interessante tentar negociar valores (você pode negociar um valor maior se tiver muitos anos de experiência no Brasil), oportunidades (um emprego que ofereça plantões na escala, e portanto tem uma BANDING maior).

Quando você aplicar para um determinado emprego e for aceito, a sua TRUST irá solicitar ao serviço de imigração um COS (Certificate of Sponsorship). Em posse deste documento, você poderá solicitar o visto que permitirá a sua entrada no país como profissional especializado com o visto Tier 2. Para fins de contextualização, é bom saber que no final do ano passado ocorreu uma crise com relação ao COS. O governo fornecia somente 22.000 destes por ano para todo o país (para médicos, engenheiros, etc.), o que dava uma média mensal mais ou menos constante. No final do ano sempre havia problemas, e houve um periodo até Março-Abril deste ano que milhares de médicos estavam com empregos garantidos, mas não conseguiam meios para tirar o visto por o COS não era liberado tendo passado do limite anua. Este problema foi resolvido, por Teresa May abriu uma lei que tirava o limite de COS por ano, o que virtualmente elimina por completo este problema.

No momento que você for aceito no emprego, recebendo o visto, você estará pronto para ir para o Reino Unido já com emprego fechado. Por essa razão você não precisará morar no Reino Unido antes que tenha um emprego definido, o que facilita muito as coisas. Em relação à parte financeira, os custos de todo o processo são um pouco elevados (nada diferente de outros processos de revalidação de diplomar). Ao final você precisará somente de uma quantia necessária para se manter no país por no minimo um mês, já que o seu primeiro salário só cairá no mês seguinte

Conclusão

O processo de revalidação para o Reino Unido não é necessariamente díficil, apesar de ser bastante complexo e bastante diferente do nosso progama de carreira e especialização. Todo processo de revalidação é o primeiro passo para você trabalhar como médico em outro país, em outra língua. Burocracias nesse processo são esperadas, ainda mais considerando como a maioria dos países tem interesse em ter um controle rígido sobre os médicos vindos de outros países.

É muito importante que você não se limite a leitura desta página, e que com a leitura de outras fontes muito mais completas do que a que eu posso oferecer até o momento, você tome uma decisão informada sobre a vontade de revalidar o seu diploma ou não.

Boa sorte!

Imagem criada por Rafael de Castro